EXAMES

No Laboratório Analys Patologia são realizados os seguintes exames:

Exame Anátomo-patológico (Biópsia)

O estudo anátomo-patológico de biópsias e/ou peças cirúrgicas tem grande importância para o diagnóstico de várias doenças, permitindo o tratamento adequado. As biópsias podem ser ablativas/excisionais (exérese de toda a lesão) ou incisionais (exérese de parte da lesão para diagnóstico). Os tipos de biópsias mais praticados são: punch de pele, curetagem, endoscópicas, por agulha, guiadas por aparelhos (ultra-som, raios X, colposcópio, cerebral estereotáxica). Depois de colhidos, os fragmentos de biópsia são colocados em frasco com formol a 10% (solução de formalina a 10%). Não é necessário colocar em geladeira. Basta não deixar o líquido do frasco vazar. O prazo para realização do exame é: 05 dias úteis para biópsias em geral. 10 dias úteis para biópsias de medula óssea, crista ilíaca, ossos, unhas ou outros materiais ricos em cálcio. 05 dias úteis para exames em geral.

Exame Citológico em Urina de 24 Horas

O laboratório não fornece frascos para coleta de exames de urina. Para colher o exame, proceder da seguinte forma: Iniciar o processo de coleta no começo do dia, anotando o horário e esvaziando completamente a bexiga, desprezando toda a urina (esta primeira urina não deve ser coletada e serve apenas para marcação do horário de início do processo). A partir daí, coletar toda a urina produzida durante o dia e a noite, colocando em um ou mais frascos limpos (garrafas de água mineral, garrafas PET bem limpas ou recipientes específicos vendidos em farmácias). Estes devem ser mantidos em geladeira e ao abrigo da luz solar. Coletar a última urina EXATAMENTE no mesmo horário de início do processo no dia anterior. Levar ao laboratório. Observações: Deve-se manter consumo de líquidos e dieta habituais. Se perder a coleta de um determinado horário do dia ou noite, o processo deve ser imediatamente interrompido e a urina já coletada deve ser descartada. Começar novamente a coleta no dia seguinte, em frascos limpos. O volume total entra nos cálculos do resultado e, portanto, a perda de um volume interfere diretamente no resultado do exame. Salvo sob orientação médica, não interromper uso de medicamentos durante a coleta. Deve-se informar ao laboratório a medicação utilizada, para análise adequada. Não consumir álcool durante a coleta. O resultado do Exame Citológico em Urina é liberado em cinco dias úteis.

Exame Citológico em Urina, com coleta de 1 a 3 amostras

A melhor amostra é a obtida 2 a 3 horas após a primeira micção da manhã, precedida de leve caminhada. Nas pesquisas oncológicas, o ideal é que sejam colhidas três amostras em dias consecutivos. O primeiro jato da urina deve ser desprezado, devido à degeneração das células, sendo colhido o jato médio. A melhor situação é quando o paciente colhe a amostra e traz imediatamente ao laboratório. Caso o paciente não possa se deslocar imediatamente ao laboratório, o material poderá ser conservado refrigerado (sem congelar) por até 24 horas, devendo o fato ser informado quando da entrega do material no laboratório. O laboratório não fornece frascos para coleta de exames de urina. Observações: Deve-se manter consumo de líquidos e dieta habituais. Salvo sob orientação médica, não interromper uso de medicamentos durante a coleta. Deve-se informar ao laboratório a medicação utilizada, para análise adequada. Não consumir álcool durante a coleta. O resultado do Exame Citológico em Urina é liberado em cinco dias úteis.

Exame Citopatológico Cérvico-Vaginal Oncótico (Preventivo)

É o exame ginecológico preventivo realizado a cada seis meses (ou a cada ano, dependendo do paciente ou do médico) pela mulher com o médico ginecologista. Durante o exame ginecológico de rotina, o médico colhe amostra para análise em laboratório. Esta análise é muito importante, porque permite investigar a existência de tumores ou diversas outras doenças da mulher. O resultado do Exame Citopatológico é liberado em cinco dias úteis.

Exame Citopatológico em Meio Líquido (ThinPrep)

Este exame utiliza a metodologia ThinPrep Pap Test. É uma metodologia mais apurada para realização do exame citopatológico. Esta metodologia difere da outra na forma de coleta e preparação da lâmina para análise. Este exame é muito mais seguro e confiável que o convencional, além de ser a metodologia mais utilizada em diversos países. Além disso, é autorizada pela ANVISA, ao contrário da maioria das outras metodologias utilizadas no exame citopatológico em meio líquido. Em uma só amostra é possível realizar diversos outros exames de biologia molecular, como Captura Híbrida para HPV, Perfil de Pílula, etc. Vários artigos científicos apontam um incremento significativo na detecção de lesões intra-epiteliais cervicais quando se compara o ThinPrep com métodos de citologia convencional. O ThinPrep foi rotulado pelo Food and Drug Administration (FDA) como melhor método para detecção e classificação de lesões glandulares. Nos Estados Unidos, cerca de 80% dos exames preventivos são realizados pela metodologia ThinPrep. A Saúde pública do Reino Unido aboliu a citologia convencional e migrou para o ThinPrep Pap Test. Benefícios do uso do ThinPrep: Aumento na detecção de doenças Redução dos falsos negativos Melhora na qualidade da amostra Custo-benefício e capacidade de realizar exames adicionais, aproveitando a mesma amostra para o exame de prevenção (exames de biologia molecular para HPV e outras doenças sexualmente transmissíveis). Peça ao seu médico ginecologista para utilizar esta metodologia. Você terá um exame muito mais eficiente. O resultado do Exame Citopatológico em Meio Líquido é liberado em cinco dias úteis.

Exame Imuno-histoquímico

As técnicas de imunoistoquímica detectam moléculas (antígenos) teciduais, sendo de grande valor nos diagnósticos anatomopatológicos e na investigação científica. As principais indicações para a imunoistoquímica são: Definição da histogênese de neoplasias morfologicamente indiferenciadas. Ex: carcinoma x linfoma x sarcoma Imunofenotipagem de neoplasias já classificadas pela morfologia. Ex: linfomas B ou T. Identificação de produtos de síntese das células neoplásicas, especialmente tumores endócrinos. Ex: tumor carcinóide, adenoma hipofisário. Pesquisa de marcadores prognósticos. Ex: Antígeno de proliferação celular (PCNA, Ki67…), receptores hormonais. Auxílio na diferenciação entre neoplasias e estados reacionais. Ex: linfomas x linfadenopatias reacionais. Detecção de antígenos de agentes infecciosos. Ex: vírus, bactérias, micobactérias, fungos, protozoários e helmintos. Somente é possível realização de exame imunoistoquímico em blocos de parafina. Porém, o paciente deve solicitar também as lâminas e o laudo ao laboratório onde foi realizado o exame anátomo-patológico, pois irá contribuir para a interpretação do exame.

Exame per-operatório – biópsia por congelação

Coloquialmente conhecido como “corte congelado”, é um dos mais importantes e um dos mais difíceis na prática da patologia. Este exame requer do patologista experiência, conhecimento de clínica e patologia, além da capacidade de tomar decisões rápidas e sob pressão, já que tem de fornecer um diagnóstico anátomo-patológico rápido, durante o ato cirúrgico. O exame de congelação apresenta limitações inerentes à amostra e ao procedimento técnico, uma vez que o tecido é examinado a fresco e com o congelamento podem se formar cristais que induzem a artefatos teciduais, dificultando o diagnóstico. Procedimento Com o paciente no bloco cirúrgico, “aberto”, o cirurgião retira um fragmento de um órgão ou tecido, que é enviado imediatamente ao Laboratório de Patologia. No Laboratório, este fragmento é congelado em um micrótomo de congelação ou em um criostato, e submetido à microtomia para obtenção de cortes finos ( 5 a 7 micrometros) que são corados em HE e submetidos a análise microscópica. Em poucos minutos o médico patologista fornece o diagnóstico ao cirurgião que, a partir deste, adotará a conduta adequada no ato cirúrgico. Após a liberação do resultado do exame por congelação, a amostra é submetida aos processos normais de processamento histopatológico, com posterior liberação de resultado complementar. Objetivos O exame de congelação é importante para estabelecer a presença e a natureza da lesão, para avaliar as margens de ressecção cirúrgica e para estabelecer se o tecido obtido contem material diagnosticável ( mesmo que o diagnóstico exato não possa ser feito na amostra congelada ) ou se uma amostra adicional é necessária. Diferencial do Laboratório Analys Patologia Além de contar com corpo clínico altamente qualificado, o Laboratório Analys Patologia utiliza o criostato CM1850-UV, fabricado pela Leica Microsystems. O equipamento é dotado de sistema de congelamento ultrarrápido, além de sistema de desinfecção com luz ultravioleta e revestimento de nano-prata antimicrobiana, garantindo assim liberação rápida de cortes de alta qualidade e segurança para o colaborador que opera o equipamento e para o meio ambiente, ao não utilizar CFC (Clorofluorcarbono) no sistema de congelamento.

Revisão de Lâminas

Ocorre quando é solicitada uma segunda opinião sobre algum caso. Um material vem de outro laboratório para que os patologistas no Laboratório Analys Patologia emitam sua interpretação sobre aquele caso.

É possível realizar revisão de lâminas somente com blocos ou lâminas. Porém, para que o exame seja interpretado adequadamente, é importante que numa revisão de lâminas o laboratório de origem disponibilize blocos, lâminas e laudos do paciente.O resultado da revisão de um caso é liberado em média cinco dias úteis depois do recebimento da amostra no laboratório.

O que é necessário para realização do exame?

Para realização do seu exame é INDISPENSÁVEL a apresentação dos seguintes documentos:

  • Documento de identidade do paciente, com foto. Em caso de paciente menor de 18 anos, além do documento de identidade do paciente também é necessário o documento de identidade (com foto) do responsável.
  • Carteirinha do convênio. Não é possível a realização do exame apenas com o número da carteirinha. É necessário estar com a carteirinha do convênio em mãos.
  • Pedido médico.
  • A amostra. Se o exame for Biópsia, a amostra deverá estar em frasco com formol. Se o exame for Citopatológico Convencional (preventivo ginecológico), a amostra poderá estar em frasco com ou sem álcool, dependendo da forma que o médico acondicionou. Se o exame for Citopatológico em Meio Líquido – ThinPrep, a amostra deverá estar em frasco com solução específica.
  • Se o exame for Revisão de um caso (revisão de lâminas, trazer lâmina(s) e/ou bloco(s) de parafina. Deve-se tomar o devido cuidado para não quebrar a(s) lâmina(s) e não expor o(s) bloco(s) de parafina ao calor, para não derreter o(s) bloco(s).
  • Se o exame for Imuno-histoquímica, trazer lâmina(s) e/ou bloco(s) de parafina. Deve-se tomar o devido cuidado para não quebrar a(s) lâmina(s) e não expor o(s) bloco(s) de parafina ao calor, para não derreter o(s) bloco(s). Não é possível realizar este exame apenas com a(s) lâmina(s). É indispensável trazer o(s) bloco(s) de parafina.
  • Se o exame for particular, poderá ser pago em dinheiro, cheque do paciente, cartão de débito ou cartão de crédito (Visa ou Mastercard).